Publicado em Deixe um comentário

Você já conhece Alter do Chão no Pará?

alter-do-chão-flor-de-jambu

Finalmente o verão chegou! Época de férias, confraternizações e um merecido descanso. Por isso, viemos te dar uma dica de destino de viagem inesquecível: Alter do Chão!

Reconhecido internacionalmente como uma das praias mais belas do Brasil, e cenário inclusive de uma das novelas da Globo, Alter do Chão é um verdadeiro caribe de água doce.

Situado em Santarém, no estado do Pará, este destino possui diferentes atrações dependendo da época do ano. 

Neste artigo vamos te dar várias dicas caso você esteja se planejando para visitar este paraíso. Vem conferir!

Alter do chão: quando ir?

Depende do itinerário que você deseja fazer! Se você é uma pessoa mais praiana, então é melhor ir na temporada de seca que começa em agosto e termina no início do mês de janeiro.

Mas, se você é apaixonado por fazer passeios de barco, e quer ter a oportunidade de apreciar melhor algumas espécies de animais comuns da região, então viaje entre o final do mês de janeiro e início do mês de julho. 

Alter do chão: como ir?

Se você está partindo de Brasília, Belém, ou Manaus, então é possível pegar um voo direto para o aeroporto de Santarém, que fica a menos de 40 km de Alter do Chão.

Do aeroporto é possível recorrer a um táxi, ônibus, ou você pode optar por um carro alugado. Contudo, esta última opção tem suas desvantagens porque depois que estiver na vila você perceberá que a maioria dos passeios são feitos a pé, ou de barco. 

Alter do chão: pousadas

Antes de falar de algumas opções de hospedagem, é importante ressaltar que fazer reservas com antecedência é o mais recomendado. Afinal, as alternativas são um pouco limitadas. 

Há opções de pousadas e bangalôs que ficam bem próximos das praias mais famosas, e possuem uma incrível integração com a natureza, como a Pousada Boutique Villa Alter, Pousada Villa Arumã, Pousada Vila AMZ, entre outras. 

Há também algumas opções de hotéis com quartos mais tradicionais, mas que são super bem equipados, como o Agualinda Hotel, e o Hotel Mirante da Ilha, que tem vista para a Ilha do Amor. 

Alter do chão: praias

Ilha do Amor

Se você está em busca de areia branca, águas cristalinas e uma boa infraestrutura com barraquinhas, então visite a famosa Ilha do Amor. 

Esse é um dos points mais frequentados pelos turistas, principalmente no verão. Mas, se você deseja conhecer outras praias banhadas pelo Rio Tapajós, então visite o Cururu, a Ponta do Mureta e a Praia do Cajueiro. Lembrando que o pôr do sol visto destas praias é um espetáculo sem igual!

Lago Verde

Esta ilha fica exatamente entre o Rio Tapajós e a Ilha do Amor. Contudo, ela só aparece no período de estiagem das chuvas. 

Além de ser excelente para tomar banho, a natureza ao ser redor é exuberante. Fato que nos faz lembrar dos passeios incríveis pela Floresta Encantada!

Fora a oportunidade de conhecer de perto algumas comunidades ribeirinhas, as excursões de barco te levam para uma imersão dentro da selva amazônica. 

Aproveite a Festa do Sairé

Pretende conhecer esta região no mês de Setembro? Então não deixe de aproveitar esta celebração folclórica que dura cerca de 5 dias. 

Mesclando elementos católicos e profanos, a Festa do Sairé é cheia de rituais, músicas e danças coreografadas. Um verdadeiro espetáculo que atrai muitas pessoas todos os anos. 

Um dos pontos altos desta celebração é o Festival do Botões, que representa a luta entre o boto-cor-de-rosa e o boto tucuxi, ao som do carimbó (ritmo tipicamente amazônico).

Gostou de saber um pouquinho mais sobre o caribe brasileiro? 

Então fique ligado no nosso blog

Publicado em 1 comentário

Deveras Amazônia, as delícias que vêm da floresta

Idealizada por biólogos, a Deveras Amazônia defende o meio ambiente e respeita a cultura local

Quando a ciência se une à tradição, maravilhas acontecem. E a maior prova disso é a Deveras Amazônia, uma empresa de Santarém, no Pará, que desde 2018 mantém a produção artesanal de geleias, conservas e licores com sabores amazônicos.

Idealizada por três biólogos com Doutorado, Rosa Mourão (Doutora em Ciências Biológicas); Valéria Mourão (Doutora em Biotecnologia) e Cláudio Monteiro (Doutor em Ecologia), a Deveras Amazônia faz o que toda empresa da região deveria fazer, preservar a floresta, valorizar a cultura e ajudar os pequenos produtores.

Valéria, que é sobrinha de Rosa e esposa de Cláudio, conta que a empresa nasceu da paixão deles por doces e pela floresta. “Morar na Amazônia foi o começo de uma história de amor. A riquíssima biodiversidade e capacidade de manipular sabores e saberes instigou a nossa criatividade e o desejo de empreender e começar a nossa própria produção”.

O primeiro produto da empresa foi a geleia de camu-camu, um fruto nativo da região amazônica, riquíssimo em vitamina C. Ainda é desconhecido de muita gente e pouco utilizado para fins comerciais

Para se ter uma ideia do desconhecimento do seu valor, nas comunidades da região Oeste do Pará, o fruto estraga por falta de mercado. “Foi pensando em agregar valor e utilizar o potencial nutricional do fruto que iniciamos a nossa produção”, relata.

Saberes científicos potencializam os insumos naturais

Dulce, Rosa, Marlene, Valéria e Cláudio

E foi com o objetivo de mostrar o verdadeiro valor da floresta em pé que os três empreendedores escolheram o nome da empresa. Pois “deveras” significa “algo verdadeiro” de confiança. “Somos três pesquisadores em busca de agregar valor aos produtos amazônicos”, afirma.

Mas como que se faz isso? Valéria explica: “Para a Deveras Amazônia, tão importante quanto o conhecimento tradicional é o trabalho científico. Aliar os dois é ter o melhor das pesquisas e conhecimento da alquimia por trás dos insumos naturais para, assim, potencializar o melhor de nossas sementes, raízes, ervas e frutos”.

Além de aproveitar os insumos com a ajuda da ciência, a Deveras tem um relacionamento especial com a cultura, meio ambiente, comunidades locais e pequenos produtores.

Empresa valoriza os pequenos produtores

Segundo Valéria, o compromisso da empresa é desenvolver a economia da Amazônia nos âmbitos social, cultural, ambiental e financeiro. “Pois, além do dinheiro, existem trocas de valor quando se envolve pessoas, ancestralidade e natureza”.

Para isso, a Deveras adquire os frutos e ervas sempre de pequenos produtores, com os quais procuram manter um relacionamento para entender a real necessidade de cada um deles.

Os empreendedores visitam as comunidades para conhecer e entender a relação do produtor com os frutos e proporcionar uma troca de conhecimentos entre fornecedor e empreendedor. “Sempre debatemos com eles sobre a preservação do meio ambiente, a importância do consumo do fruto em sua época, a função ecológica do fruto, e incentivamos e respeitamos essa relação”, explica.

O camu-camu, por exemplo, é uma planta que brota na beira do rio. Quando o rio enche, os frutos caem na água e servem de alimento para o boto e o tambaqui, por isso, a comunidade local só colhe o suficiente para a produção para que os animais não fiquem sem alimento.

Oficina de geleias realizada em comunidade de Santarém

Os biólogos da Deveras também colaboram com pesquisas científicas em produtos que a comunidade comercializa, repassam orientação sobre boas práticas alimentícias, realizam oficinas de geleias e licores, respeitam a safra de cada fruto e procuram manter os produtos da Deveras o mais natural possível para que o consumidor sinta o verdadeiro sabor da Amazônia

Incentivo ao consumo com consciência socioambiental  

Outra proposta da Deveras é incentivar os consumidores a terem consciência socioambiental. Valéria também explica: “Consumir com consciência social e ambiental é estar atento aos produtos que você adquire. Saber de onde vem, qual sua origem, ter consciência dos impactos que ele pode causar, qual a matéria-prima que foi utilizada, se é a partir do uso sustentável dos recursos naturais”,

Ela ressalta que o consumidor precisa saber que as matérias-primas originárias a partir do uso sustentável de recursos naturais de biomas como, por exemplo, o bioma amazônico, geram emprego, renda e inclusão social das famílias de pequenos produtores que vivem da exploração desses insumos.

“Para pessoas sensibilizadas que consomem produtos com consciência social e ambiental, a Deveras apresenta a combinação de saberes da floresta para gerar produtos amazônicos que unem ciência e tradição em seus preparos”, garante a empreendedora.

Vitória-régia, do rio para o prato do consumidor

Um dos produtos mais incríveis da Deveras e que desperta a curiosidade do consumidor é, sem dúvida, a vitória-régia em conserva. Sim, aquela planta aquática típica da região amazônica que tem até lenda.

Para produzir a vitória-régia em conserva, a empresa conta com a parceria da dona Dulce Oliveira, que tem uma plantação desse vegetal no quintal da sua casa no Canal do Jari, uma comunidade localizada perto de Alter do Chão, em Santarém. O cultivo começou em 2014 e atualmente dona Dulce tem um verdadeiro jardim aquático com131 plantas.

Dona Dulce e sua plantação de vitória-régia

A vitória-régia é comestível e dona Dulce começou a criar pratos com a planta, o que atraiu muitos turistas para conhecer o seu trabalho e fazer degustação. “Dulce sabia que precisava do respaldo da ciência, então ela queria que a universidade pesquisasse a planta e fornecesse dados científicos para que as pessoas confiassem naquele tipo de alimento”, conta Valéria.

As análises em laboratório mostraram que a planta tem atividade antioxidante e é rica em proteínas e fibras. “Um produto especial que traz um dos maiores símbolos da nossa Amazônia”, afirma Valéria.

Então, em 2019, foi firmada a parceria científica e comercial, levando ao lançamento da conserva de vitória-régia, feita com o pecíolo, uma espécie de caule que fica submerso “Aliás, a conserva e geleia de vitória-régia juntamente com a geleia e conserva de flor de jambu, geleia de pupunha e licor de chicória são os produtos que chamam mais a atenção do consumidor”, ressalta.

Deveras Amazônia aposta na venda por meios digitais

Antes da pandemia de Covid-19, a Deveras fazia vendas presenciais no seu local de produção, padarias, empórios e restaurantes. Participava de eventos de culinária, negócios sociais e iniciativas que apoiam e defendem o desenvolvimento econômico com a floresta em pé. E também já utilizava as redes sociais e aplicativos de vendas de alimentos para comercializar os seus produtos.

No entanto, com a pandemia, o meio digital tornou-se a principal maneira de divulgar e vender tudo que produzem, contando com parceiros de divulgação que estão alinhados com o seu propósito.

“Nosso produto era consumido mais por turistas e tivemos que fazer adaptações melhorando nossas redes sociais, trazendo o negócio mais para o digital, sem o contato direto que antes tínhamos com público na nossa cidade. Fizemos algumas vendas para outros estados para clientes finais que queriam a experiência de provar produtos amazônicos durante a quarentena”, relata Valéria.

Parceria dá visibilidade aos produtos fora do Pará

Uma parceria que vem dando certo desde 2018 é com a flordejambu.com, quando a Deveras estava com apenas seis meses funcionamento. “A flordejambu.com foi nossa primeira parceria em São Paulo, foi ela que abriu as portas para que pudéssemos enviar nosso produto para outro estado e dar uma visibilidade que não tínhamos”, comemora Valéria.

“Eles acreditaram nos nossos produtos e nas pessoas que temos por trás do nosso trabalho. Por meio da flordejambu.com nós já fechamos outras parcerias, eles são uma ponte para que possamos vencer a barreira e escoar os produtos amazônicos”.

Ela revela que a parceria com flordejambu.com vai muito além do comercial, pois é uma empresa que entende a missão da Deveras e, por isso, estão em completa sintonia. “Eles valorizam os produtos da sociobiodiversidade, entendem a nossa capacidade de produção e a necessidade de termos produtos sazonais”, explica.

Valéria e Rosa Mourão
Valéria e Rosa Mourão

Valéria conta que a flordejambu.com acompanhou a jornada da Deveras e foi peça fundamental para a mudança dos rótulos dos produtos em 2020, ajudando com as informações nutricionais de cada um deles. “Nós amamos essa parceria que já virou uma amizade, somos admiradores da forma como eles nos representam e dos demais produtores que fazem parte desse projeto incrível”, afirma.

A Deveras Amazônia também é um campo de ensino e pesquisa. Além dos três pesquisadores, lá atua a bolsista do curso de Administração da Unama Centro Universitário da Amazônia (Unama), Fernanda Castro, dois estagiários do curso de Técnico em Alimentação da Escola Técnica do Estado do Pará, e uma estagiária do curso de Biotecnologia da Ufopa. Todos já estão trabalhando para o lançamento de novos produtos no mercado. Farinhas de frutos amazônicos e chás são algumas possíveis novidades ainda para 2020.

Texto: Roberta Vilanova

Fotos: Deveras e flordejambu.com